Pesquisa da população de descendentes de japoneses residentes no Brasil (1987-1988)
terça-feira, 31 de julho de 2012

Um dos trabalhos de maior vulto que o Centro de Estudos Nipo-Brasileiros apresentou ao público foi decerto a pesquisa da população de origem japonesa no Brasil realizada entre 1987 e 1988, a qual temos prazer em anunciar que agora está disponível através de nosso site.

É extremamente difícil obter dados exatos, confiáveis e consistentes a respeito da população de uma nação inteira, quanto mais de um grupo diminuto de imigrantes espalhados pelo vasto território brasileiro.

Antes de esta pesquisa ser realizada, algumas tentativas já haviam sido feitas com objetivo de se saber quantos japoneses e seus descendentes habitavam no Brasil. A mais conhecida dentre elas fora a de 1958, conduzida pelo prof. Teiichi Suzuki (fundador da Casa de Cultura Japonesa/USP). O prof. Suzuki assumiu para si este desafio durante as comemorações do cinquentenário da imigração japonesa no Brasil. Ao planejar a redação da história dos 50 anos da imigração, ele se deparou com a inexistência de dados estatísticos atinentes à população japonesa no país. Tinha início, então, um grande projeto que duraria cerca de 6 anos. Gastou-se muito tempo para que se concluísse o projeto porque o método de pesquisa adotado foi o levantamento exaustivo, quer dizer, entrevistar cada uma das mais de 430 mil pessoas que constituíam o objeto da pesquisa.

Passados alguns anos, fundou-se em São Paulo a presente entidade (1965), substituindo-se o Círculo de Estudos de Ciências Humanas de São Paulo. À época, o segundo pesquisador em cargo da entidade, Tomoo Handa, empenhava-se na elaboração do livro O imigrante japonês — história de sua vida no Brasil (1970), e, durante os trabalhos, surgiu a ideia de se criar um museu da imigração japonesa. O levantamento da população japonesa no Brasil realizado em 1988 pela presente entidade foi um subproduto do projeto acima mencionado.

Para a realização do levantamento de 1988, conseguiu-se o apoio do estatístico japonês Hiroshi Mizuno (Departamento de Estatística, Ministério do Interior e das Comunicações, Japão). O primeiro passo do projeto foi definir qual seria o objeto da pesquisa, quer dizer, quem se enquadrava na definição de “nikkei”. Para tanto, foi necessário ponderar qual método seria o mais adequado para se alcançar o objetivo. Após a realização de uma pesquisa preliminar, foi decidido que se faria uso dos setores estabelecidos para o Censo Nacional, tal como determinados pelo IBGE.

Esta pesquisa trouxe à tona o fato de que a população de origem japonesa no Brasil, em julho de 1988, era de 1.280.000 (± 3.000) pessoas, número usado posteriormente como estatística confiável em muitos trabalhos.

Hoje, sabe-se que entre os descendentes de japoneses no Brasil já chegam à sexta geração, tornando muito mais complexo realizar uma nova pesquisa do mesmo gênero. Baseando-se na taxa média geométrica de crescimento anual divulgada pelo IBGE, estimamos que, em 2010, a população total de japoneses e descendentes no Brasil tenha atingido a cifra de 1.600.000 pessoas.